Páginas

quarta-feira, 3 de abril de 2013

Amor de bailarina

Você apareceu do nada. Vou começar falando assim, e só não completo com "você mexeu demais comigo" porque ai vira uma música que fala sobre adeus, e não é essa que você me faz dançar. Mas você apareceu do nada. E me escolheu pra ser seu par. Você me tirou pra dançar e eu tirei toda minha armadura de medos pré-fabricados pra dançar com você. É que pra dançar e pra voar, a gente tem que ser leve. A gente tem que se desprender. Como eu me desprendi do que eu pensava pra olhar o mundo pelo teu ponto de vista. Você me tirou pra dançar e eu resolvi seguir seus passos, entrar no teu ritmo, ver no que aquilo tudo ia dar.
Um passo de cada vez. Um pra frente e dois pra trás. Um conforme o ensaiado, outro meio improvisado e desajeitado. Um pra perto, outro pra longe. Escorrego por um lado e me aproximo por outro. Passos de quem nunca dançou e de repente se vê bailarina. Eu, feito bailarina que nunca soube dançar, escolho as palavras mais bonitas e danço a dança de quem nunca arriscou um passo tão grande antes: ser teu par. Na chuva, no sol, quando o filme acabar, por onde quer que a gente vá: só sei dançar com você. Meio bailarina que eu nunca fui, meio bailarina que você me faz ser pra me encaixar na fôrma certa dos teus sonhos. 
Você me faz bailarina e eu aceito minha condição. Bailarina que dança com verbos. Bailarina daquelas caixinhas de música: você dá corda e eu danço. Você me chama e eu vou. E fico bem ao alcance das suas mãos, não fujo: prisioneira da caixa que me abriga e toca nossa canção. Bailarina de uma música só: a nossa. Prisioneira dessa dança que não precisa acabar e que eu só danço com você. Feito bailarina, feito moça apaixonada, feito aquela menina boba que encosta o rosto no teu e sorri feliz sentindo sua respiração e seu coração que não disfarça e dispara pra gritar que é meu. Eu aceito a responsabilidade, os riscos, a fe-li-ci-da-de. Eu aceito você. Você vestido do que você é. E me visto do melhor de mim pra te receber. E me faço bailarina, me refaço em você. Me apresento bailarina que só sabe dançar pisando em nãos e você segura minha mão e me ensina a dançar e dizer sim. Me mostra os passos e eu digo sim. Largo o mundo, os medos, as interrogações e seguro sua mão de volta. E fico o aqui, não fujo. Não mais. E te digo que sim, moço. 
Sim, eu não sei o caminho, mas vamos juntos. Sim, eu não sei dançar, mas me ensina. Sim, eu não sei dizer, mas tudo o que eu quero é ser teu par. Sim. E não importa o que vem depois. Importa esse agora com você. Importa a gente ter disposição pra nunca mais parar de dançar. Sim. E não importa o que tem lá fora, a gente pode se esconder nesse mundo que a gente criou. E não importam as horas, a previsão do tempo, a programação da tv: importa só estar com você. Danço com você, louca por você: você-meu-par, você-sem parar. Só quero se for assim. Só sei dançar com você.

"Toda vez que eu errava cê dizia 
Pra eu me soltar porque você me conduzia
Mesmo sem jeito eu fui topando essa parada 
E no final achei tranquilo 
Só sei dançar com você 
Isso é o que o amor faz

Nenhum comentário:

Postar um comentário