Páginas

quarta-feira, 3 de abril de 2013

Não me culpe

Não me culpe pelo que escrevo, pelo que sou,  foi o que me sobrou: a voz, o verbo e o direito ao grito. Foi o que sobrou: a escrita ou a loucura, a escrita ou o sufoco no peito, a escrita ou o nó na garganta. Foi o que sobrou: escrever e viver de amor. E Eu escolhi os dois.


Nenhum comentário:

Postar um comentário