Páginas

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

VENHO DE UM REINO NÃO TÃO DISTANTE


Por Layla Maryzandra
foto:valéria mattus 
Eu também luto por uma sociedade justa e igualitária, também compreendo que muitas feministas lutam pela desconstrução da imagem de “mulher princesa”, principalmente por todos os estereótipos e opressões imbutidos na mesma.
No entanto, sou uma mulher preta de periferia, estou entre aquelas que normalmente nunca foram visualizadas e muito menos tratadas com as pompas de uma “realeza”, a nós sempre ficou o título de sermos invisíveis, a árvore do cenário.


Bom, é por essas e por outras que não canso de dizer que sou sim uma Princesa, e sou daquelas que, acorda descabelada, tenho um pijamas que perderam o elástico, uso meias coloridas e furadas. Não sou uma boneca, mas sou uma princesa. Quando durmo mal tenho olheiras. Sempre sujo a toalha da cozinha, sempre deixo o leite derramar, sou desastrada. Sou bagunceira. Não sei rir baixo, tão pouco falar. Adoro andar de meia pela casa, ou então de pé no chão mesmo. Falando em chão, adoro sentar no chão.
Sim, sou uma princesa. Falo gesticulando, meu choro é verdadeiro, fico com nariz entupido, olhos vermelhos, fanha, as lágrimas saltam. Não sou o tipo de princesa que chora com delicadeza e ainda pega lencinho. Eu limpo o nariz na manga da blusa. De vez em quando eu tenho espinha. Me sujo comendo sorvete. (...)



Não respiro pra falar. Me agito pra falar. Me embolo pra falar. Me embolo pra tentar explicar o que estou sentindo. Me embolo no meio dos sentimentos todos. Tenho cabelos de princesa, não é liso, não é cacheado, não é ondulado, ele é crespãooo. Não dá pra fazer tranças longas e jogar pela janela, mas dá pra fazer um blackzão e sair tirando onda com a galera!!! Minha coroa não foi feita de ouro, foi feita de pano, assim como as pequeninas abayomis no trajeto do navio negreiro.
A princesa aqui não leu Simone de Beauvoir e Emma Goldman, mas tem como referencia em suas pesquisas, Carolina de Jesus, Sueli Carneiro, Lélia Gonzáles, Alice Walker, Nilma Gomes, Rosa Parks, Malcon X, Martin Luther King, Mandela e por que não Jesus Cristo!! Enfim a Princesa é preta e não vê problemas em ser cortejada, no mundo em que ela viveu, ela não foi a Cinderela, não foi a madrasta má e muito menos as irmãs invejosas da frágil princesa, a princesa preta estava na cozinha, tentando reescrever a sua própria história, enquanto seu personagem, nunca ao menos existiu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário